Merciana by Hang Ferrero

tenho observado, durante a atmosfera da mansidão das minhas leituras, enunciados diferentes, discorrerem nas lâminas de papel. especialmente, caminhadas mais olfativas que antes e, venho exercitando a entrega a este tempo das coisas e, ociosamente, me entrego ao que entendo ser um convite à contemplação, então, primeiro aproximo as pálpebras umas às outras, para tirar proveito, me deixando levar pelo sensorial. recosto e capturo logo em seguida, apertando os olhos, brechas entre os grafismos do texto, feito sulcos, denunciantes.

numa dessas tardes, levitando entre o teto e o chão, pés e cabeça apontando cada qual a seu modo para os adornos precisamente destacados às paredes recém pintadas da sacada do apartamento 601, lendo das cousas de djamila ribeiro, vi merciana, nome de minha mãe, passeando por entre aqueles rios, deslizando por uma página à outra.

grato querida. era tudo o que eu estava precisando; sentir o cheiro do teu nome.

Blog a Hang Ferrero

Un comentario Agrega el tuyo

  1. hangferrero dice:

    Grato Masticadores; este texto flertou com a minha consciência em um nascedouro de saudade…

    Le gusta a 1 persona

Deja una respuesta

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Salir /  Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Salir /  Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Salir /  Cambiar )

Conectando a %s