para manuel porta- bandeira

vou-me embora pra falcatrua
lá sou amigo do rato-rei
lá tenho a mamata que quero
com o conje que escolherei

vou-me embora pra falcatrua
aqui eu não sou feliz
lá a existência é uma aventura
desde que se conheça antes o juiz

lá a mamata nunca acaba
pra quem é cidadão de bem
cascatas de leite-condensado
churrascos de picanha e maminha
e muitos dedos fazendo arminha

e como farei ginástica
e flexões de pescoço
montarei em burro brabo
sobrevoarei a Praça dos Três Poderes de helicóptero
tomarei banhos de mar
tirarei muita onda
e lavarei minhas mãos em público
culpando a imprensa, a oposição e a ONU
já que a culpa é minha e boto ela aonde eu quiser

na falcatrua se pode tudo
é outra civilização
tem um processo seguro
de se aliar com o centrão
a oposição não existe
perdida na confusão
ter os militares do lado
é coisa que não tem preço
ter inteligência infiltrada
ter lista de detratores
e aliados com preços variados
e quando eu estiver mais triste
mas triste de não ter jeito
quando de noite me der
vontade de largar de vez
lembro que tenho o Congresso e o Senado nas mãos
e que agora ficou mais fácil
realizar meu sonho
de implodir uma nação
vou-me embora pra falcatrua
lá sou amigo da lei
lá os bichos, meldels, são homens
e há ainda muita destruição por fazer