Para não ser

por Jenis

Ando pela costa

pela costa eu ando

Dentre uma leveza que arrebata

Me sinto livre

não mais história ou passado

me falta nome

ando

só ando

Aqui

há somente a ideia de mim

Uma sombra que percorre o beira mar

Porém

a sensação de calma

aconchego

me acompanha

Basta como motivo para seguir o que quer que seja

Seguir – almejar o nada

Queria poder dizer as coisas que vejo

Queria poder saber sobre as coisas que vejo

Uma risada, mapas, água, roupas

passo

deixo que fiquem

Quando nada se almeja

prendimento se torna irreal 

Os olhos podem ver

o corpo, sentir

Não há horizonte,

lados, ou céu

Limita-se à visão dos pés

E o mundo fica ao se perder no mar

Anda pela costa

pela costa anda