Pó by Hang Ferrero

el

um rodamoinho. uma brincadeira com a geometria da poeira, um peito humanóide, ressoando a plástica da vida. a fusão: emoção e escuta, reverberando palavras imensas, mas todas no diminutivo qué prá retardar o tempo das coisas, pra essa coisa adulta.

tá! é clausura também! e talvez, egoísmo e, acrescenta-se dois tantos desse elemento filosofal; por querer quase que o tempo todo e também ás vezes, divertir-se por desejar tão simples e pro resto do mundo, parecer nada além de comprovada loucura e ainda assim e todo besta, dançar convencido de que está num grande espetáculo.

se colocar, ridículo e desdenhar se te poem por louco. é que lá, na sanidade, nem sempre há pólen, nem sempre chove bonito à noite pra exibir o cheiro da manhã, nem sempre crescem as tulipas e são menos reluzentes os beija-flores.

não há força excessiva nesse cantinho. na poesia, não há…

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Salir /  Cambiar )

Google photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google. Salir /  Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Salir /  Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Salir /  Cambiar )

Conectando a %s