O surgimento do tempo by Guilherme Carvalho

(Blog) “e o espaço sempre foi visto como o morto, o não dialético…” M. Foucault Essa história se passa não num tempo, mas num espaço. Passa-se longe de qualquer critério de ontem, hoje e amanhã. Algo em torno de um antitempo. Não se faz conjugando tempos verbais simplesmente (embora como se necessite da gramática para…

Possibilidade by Guilherme Carvalho

Quem vem à cidade grande, aos grandes centros urbanos pela primeira vez, se depara com um labirinto estático de concreto. Espanta-se mesmo não aparentando. São gigantes de vidro e luz, infinidade de vias, amontoados de homens e mulheres sobrepostos a concreto e metal, fios e mais fios por onde escorre o sangue elétrico e informativo…

Quente. by Guilherme Carvalho

(Link blog) Noite quente. A muriçoca zumbi infernal sua busca por sangue e eu continuo com meus abscessos mentais. O suor escorre pela testa e se acumula também no nariz. O sono não vem nunca. A muriçoca continua. Há um misto de cansaço físico e mental e angústia pelo levantar cedo de manhã. A cerveja…

Platonismo

By Guilherme Carvalho Uma história sempre começa de um ponto. A não ser a própria História que não se pode principiar, mas que invariavelmente teve um início. Essa história que ele começava, aparentemente não havia começado. Poderia ter sido uma frase dita sem pensar, ou um olhar que cativasse o fragmento de um segundo qualquer,…

Melancolia

Por: Guilherme Carvalho https://poesificando.com/ A tua falta é a minha nem nos conhecemos nenhum cruzamento sinal corredor nada nos conecta… A tua falta é a minha uma comunhão de vazios e nunca nos encontraremos                                          …

Quem dera

By Guilherme Carvalho (blog) Ônibus maldito. Parece que cada minuto é uma hora nesse maldito ônibus maldito. Coletivo. Se a coletividade for isso, prefiro o individualismo. Se coletividade for esse roçar forçado de bundas, pernas, braços, sovacos e cabelos e esse eterno pisar e ser pisado por pés de todos os tipos, prefiro mil vezes…