Quem? by Hang Ferrero

quem me ouviria, dentre os loucos, se eu gritasse aos pés da terra–mãe, senão os raros, de fato, poucos?

Curioso By hang Ferrero

curioso… da minha janela, vejo o tempo avançando cada vez mais turvo. abro mão, um pouquinho a contragosto, dessa ideia de juventude eterna e recorro aos belos aros prateados dos meus óculos pra amenizar o obscuro. vale lembrar, que a minha acuidade visual não mudou nada, em comparação aos meus longínquos 28 anos. pasmem; no…

A cama, a inveja By Hang Ferrero

nem Pã supunha tanta troça,maior que sua forma:chifres e pelos e patasà distração dos caniçosque flutuando doce som do soproàs ninfas e ao regozijo dionísico,por tal respiro criou do ouro de Hefesto,a constelação que se vê agorae que me arranca grafismos,consciência e pânico.tudo é labirinto?é demais querer d’um mundoo pertencimento?sou degredado ou fui banido?tudo é…

Exegese by Hang Ferrero

fiz tudo sozinho.deixei–me cativo prachafurdar na euforia.vou aclarar de umavez por todas:essa coisa de mantervigilância eternanas humanidades, é um saco!queria outro tipo de coisa,sabe? ‘experienciar‘.foi mole; tive apenasque negligenciara autocrítica,me colocar ingênuo,manipulável, pra dar vazãoà toda a teatralidadede uma vida semgrandes significadose, que também mora em mim.abri mão dos símbolos;ironia e sátira jánão eram meus…

Forno e fogão by Hang Ferrero

não sei se comi, se delirei; tâmaras lançadas à manteiga. eis a prova: sou ruim com lógica, ainda assim, a aprovei. receita–poema rasgada ao meio, mais dois ovos guardados pra ceia, por 200centavos, flocos de aveia, esperei o efeito [ lógico ] e se desse certo, um juramento: usar sempre banana , óleo e fermento,…

Abalone by Hang Ferrero

nem tudo me é claro claro que não! uso do ópio e trago tudo todo errado e me entrego e a tua voz me apaga que praga! só devia ir até aonde a dor não mata porque tu és dor! mas vou ao teu encontro e pronto, tu és corpo, sou alma! não conto a…

“Estamos à mercê da cultura que nos é empurrada goela abaixo por gente que nem intelectualmente interessante o é, de que somos um País pobre, sem compromisso”

Cinco perguntas ao poeta Hang Ferrero – por Afonso Nilson Hang Ferrero é um poeta que além de escrever livros, declama seus textos com grande competência em saraus, shows e eventos de poesia. Profissional da saúde, leitor contumaz e heterogêneo, aborda em seus poemas e crônicas fatos de seu cotidiano e a experiência da fragilidade…

Nuh by Hang Ferrero

um ato reprovável lhe imprime culpa e resulta no animal da fome e da dor. agita-lhe cada músculo, pois bem; mas não só: sangra também, sagrada e reservadamente. [ um arquétipo quase humano ] irrigam-lhe contrações voluntariosas, na tentativa de escapar do ritmo da febre, que lhe acentuam, primeiro a aura e depois os pelos….

Embrionário by Hang Ferrero

trago um tomo dedicado a plumo o mesmo olmo sem erário e húmus insisti no inverno deste bioma o ovário e desde então do ovo engoli tal sumo

Brasil! by Hang Ferrero & j re crivello

Olá Juan. Dias difíceis por aquí Hang Ferrero Este escueto mensaje de un gran poeta brasileño, me recordó que esta Pandemia nos cubre de dificultades, de dolor, de sorpresas ante las dificultades diarias. Brasil, una gran sociedad, libre, animada, llena de la sabiduría ancestral que pasa un mal momento. Podría echarle a la culpa a…