Texto pandêmico | iorubá by Hang Ferrero

pra me afastar um tanto dos sete escudos do meu canto, encaixo um zumbi (do) nas orelhas. tudo feito pra ficar bonito; brinco(s), de estrela. pra saída; o raiar o dia: bom pra dar de língua pr‘esta vida, até o bocejar do anoitecer e, pra funcionar bem certinho, sem grilos, sopro fininho, uns cânticos que…

Meu nome é Rebeca by Nicole Guimarães

Não imaginaria que o trem pudesse se transformar em um lugar de descobertas. Sentia tanto sofrimento, cansaço e até angústia quando não tinha outra opção a não ser me deslocar em pé dentro dele. Eram raros os momentos sentada. Hoje, que tenho o privilégio de poder escolher ir ou não de trem, vejo que passei…

Abri a janela e rasguei por dentro by Naoemi Lustosa

Ela saiu com uma mala grande e cheia E sem data de volta. Tinham sapatos Roupas sujas E um coração exausto. Eu fiquei com uma casa grande e vazia E sem data de ida. Tinham sujeiras Um armário por fazer E um coração descompassado. Agora que ela tá lá e eu to aqui A esperança…

100 poetas brasileiros: André Bonani

Escritor e ilustrador. Vive em São Paulo. Sua única regra é obedecer aos comandos da imaginação. Para isso, para manter essa fogueira acesa, se alimenta diariamente de poesia, da poesia das imagens, das palavras, da realidade, dos sonhos. Artes plásticas, literatura, cinema, teatro, música, fotografia, um café de tarde, uma madrugada insone, uma luz de…

Microconto: Os três bules 

By Daniela S. Terehoff Merino (@daniterehoff)  Eram três bules vivendo há tempos nas prateleiras da mesma loja. O maior, não hesitava em falar de sua origem europeia, dizendo ser digno de servir reis e rainhas; o mais alongado, estava sempre se gabando de sua ascendência oriental e dizendo saber segredos milenares para fazer chás com…

Anderson Lucarezi: 100 poetas brasileiros

Anderson Lucarezi: Constelário (2016) sequer o céu é sincero: a estrela que cintila não é a estrela que cintila, visto que, na real, imagem antiga. o escuro que anoitece não é o escuro que anoitece, visto que, de onde vem, já se fez brilho. iria, eu, de volta, fosse aceito, a um céu do presente…

Desperdício… By Miriam Costa

Minha riqueza é minha palavra, meu cárcere o silêncio.Horas escassas que duplicavam nossos sentimentos, nunca entramos numa conversa que nos levasse a nada.A vida é um idioma, os encontros aleatórios são invocados no passado, meus pensamentos voam mansos como os segredos que vão se lendo…Com um sorriso a moça apresenta outra que me tatuou nos…

Declaração de nostalgia by Jenis

Ainda o tenho em meus poemas Já se foram três, até onde contei a presença secreta dele conforta sem razão aparente refúgio conhecido familiar não particularmente seguro mas me chama para a volta quase que em necessidade Quero ver de novo viver de novo quero ter 13 anos pedir desculpas vestida de xadrez quero olhar…

O padre da minha vó by Nicole Guimarães

Minha vó tem um padre. Ele canta sertanejo, usa calças apertadas, toma cerveja e faz piada. Ela diz que ele é um “pão”, bonito na linguagem dela. Daniel e Fabio Junior também entram no rol de pão da minha vó. Não me pergunte se é pão de forma, francês ou de hambúrguer. Ela só diz…