A curva da minha dor irreparável

By Naomi Lustosa Por um momento me veio aquele momento. aquele do sonho que te contei. em que de uma hora pra outra você tinha sumido de tudo Lembro desse dia, da sensação, da dor de saber que a perspectiva foi encerrada, posta de lado por uma finitude datada. uma espantosa vividez. mais um dos…

do vazio

by Naomi Lustosa Tenho em mim o peso de um edifício De uma construção que eu não quero construir Tenho em mim a pressa de um corredor De um tempo devagar, impaciente e destruidor Tenho em mim a angústia de um amanhã De um dia de garoa que só quer ver o sol sorrir Tenho…

Consome tudo aqui dentro como muito sempre me consome

By Naomi Lustosa Mesmo ciclo Mesma paranoia Mesmo jeito Mesma ruptura Quisera eu poder dizer que foi-se o fim Acabou e eu segui. Romper é um verbo de ação que ainda não agiu em mim. É que eu refiz o trajeto E vieram os medos As dores As angústias de todos aqueles dias. Não na…

Caderno de Despedidas

by Naomi Lustosa eu me despedi de você em um caderno. a gente não teve aquele momento do abraço doído, desses que não dá vontade de soltar porque se sabe que não vai ter de novo. nem teve um telefonema. nem uma mensagem. só descontinuou, paralisou, suspendeu.  mas a gente também não teve muita coisa….

Tensão superficial da frequência inevitável by Naomi Lustosa

Tensão superficial da frequência inevitável Meu desejo não é negativo, ele é fato. E como fato ele causa dor. Dor por romper, por provocar o inevitável, por me colocar constantemente no desequilíbrio, nocaos. Por questionar os mais rígidos advérbios de tempo: sempre e nunca. Meu desejo é o incontínuo da continuidade. Talvez seja por isso…

A poesia às vezes é um vômito inesperado by Naomi Lustosa

Ultimamente tô meio ruim em palavras escritas, apesar de ainda ser muito daspalavras faladas. Talvez seja a semana cheia de oposições e toda luminosidade da Luacomplicando processos já complicados. Pode ser também que seja o tempo de cuidarde outros lugares por onde a palavra permeia. Ser cor antes de ser palavra. Ser som antes de…

Eu fui num parque e by Naomi Lustosa

reencontrei a minha flor. ela cresceu os cabelos mudou o jeito de falar ri como antes canta com mais poesia. reencontrar a minha flor foi conhecer as suas histórias que o espaço afastou foi entender como ela se cuidou foi abraçar quem muito se procurou ai que vontade eu tava de redescobrir a minha flor.

As pontas dos nossos dedos by Ingrid Naomi Lustosa

Eu tenho muitos textos em mim. Palavras não ditas em voz alta Lágrimas não choradas por um fim. É que eu guardo despedidas Pra ir soltando Pouco a pouco. Como se eu pudesse segurar o vento Capturar, sabe? Acho que é uma mania! Mania de reter Ou conter Mas continuar tendo aqui dentro. Mesmo na…

Caminhando por aí by Naomi Lustosa

a gente anda esquecendo que pode tropeçar a qualquer instantesem saber que podemos estar atravessando uma ruaou um carro sair da garagemou que os cadarços estão desamarrados. A gente anda esquecendo que pode alguém querer conversar,nos parar para tirar uma dúvida,pedir uma sugestãoou só querer pegar carona no seu guarda-chuva. A gente anda esquecendo que…

Abri a janela e rasguei por dentro by Naoemi Lustosa

Ela saiu com uma mala grande e cheia E sem data de volta. Tinham sapatos Roupas sujas E um coração exausto. Eu fiquei com uma casa grande e vazia E sem data de ida. Tinham sujeiras Um armário por fazer E um coração descompassado. Agora que ela tá lá e eu to aqui A esperança…