Osun Janaína

by Lìvia Nàtalia Descobri que, para mim, ser mulher basta. Para puxar véus, Levantar saias Pintar as unhas de vermelho feroz – mesmo que seja só para depois dizer: para. Ou ver a dança des-contínua do seu corpo sobre o meu (o meu oposto) Pelo espelho que se emancipa das paredes deste quarto e desta…

Soneto das mil faces 

Ilustração: Cláudia A. Terehoff Merino                                                                       Texto: Daniela S. Terehoff Merino Há mais de um rosto sobre este papel: um triste,…

Do nosso sangue by Odilon Machado de Lourenço

Andamos nos caminhos vendo flores morenas Os olhares dos milênios no sangue da América Somos o desenho riscado ao luar da esperança Atravessamos as brisas, os dias de sol… Batemos sempre forte por livres amanhãs Não perdoamos os que deixaram abatidos nossos antigos irmãos que diziam que a terra não havia de ser vendida Que…

Sinfonia de Saudade by Jenis

Tenho uma música pra cada amor aguardando e ressoando em cordas elas pintam uma graça e fazem eu querer dançar E eu danço Me entreguei aos sons mais palpáveis que os paixões sóis e luas passada de minha vida deixadas somente para a nostalgia para a saudade que grita em mim Mas não me engano…

LACRES by Salgado Maranhão

Lacre 1 Uma larva de espinho mordeu-me o sonho. E atravesso a noite sangrando pétalas. Com esses uns que alumbram meus arco-íris — através dos olhos — durmo sob a Via Láctea e a cortesia dos predadores. Desolada em seu próprio couro, geme a poesia na porta do matadouro. Lacre 2 Sonhei uma flecha Karajá…

Três haicais a partir de uma imagem-sutileza

Ilustração e fotografia: Cláudia A. Terehoff Merino Texto: Daniela S. Terehoff Merino Três haicais a partir de uma imagem-sutileza I. Tristes folhas secas Em suas mãos viram pintura Poder de um artista. II. Lâmpada fulgente Acesa sobre as montanhas Clarão do luar III. Sol primaveril Um jardim cheio de vida Pássaro contente Duas pequenas reflexões…

Movente

Por Erica Gil Areia no movimento do ventoO silêncio queima em afliçãoMiragemVultosOásis mais à frenteMatar os desejosO tempo no desprezoA carne ainda vivaNão havia outra escolhaApenas doresPara florescer no deserto. Publicado en Cronicarte

Forno e fogão by Hang Ferrero

não sei se comi, se delirei; tâmaras lançadas à manteiga. eis a prova: sou ruim com lógica, ainda assim, a aprovei. receita–poema rasgada ao meio, mais dois ovos guardados pra ceia, por 200centavos, flocos de aveia, esperei o efeito [ lógico ] e se desse certo, um juramento: usar sempre banana , óleo e fermento,…

LADAINHA: Poemas de Salgado Maranhão

Não secarás as raízes do teu sopro no abismo da noite púrpura; não seguirás o fantasma que atravessa os trilhos; não cantarás aos muros de arrimo tua fantasia de pássaro. Escarpado é o chão dos teus sapatos; escarpado é o azul rabiscado de estrelas; escarpada é a rima que lateja a alegoria da palavra. Salgado…

Dance mais um pouco by Igor Florim

Blog de Igor: Link Nunca soube muito bem onde o mundo ia parar Os anos sempre passam, resolvi retornar, minha cidade é tão linda Um calor tão intenso até no frio Foi aqui que eu nasci Onde o céu é aberto, sertão paulista e seus mistérios Quanto aos velhos amigos, não os tenho visto Tudo…