Desenho de Cláudia A. Terehoff Merino.

Ah! Mar…

O que os move é a vontade de chegar.
Vestidos para a grande festa no porto em frente, ambos navegam sem olhar para os lados, apenas querendo encontrar o mais rápido possível o seu destino para ver os fogos de artifício do início ao fim.
O mar calmo, porém, trava seus corpos, juntando-os.
— Ah! Mar… Por que ages assim, empurrando-nos tão devagar e para longe da festa?
Obrigados a trocar olhares enquanto esperam, enamoram-se os dois. O céu harmônico a iluminá-los, sorriem, não desejando agora outra festa senão esta que os invade em seu íntimo.
O tempo passa e o mar, revolto, move seus corpos outra vez, separando-os.
— Ah! Mar… Por que ages assim, empurrando-nos tão rápido e para longe um do outro?
Obedientes ao capricho das águas, os dois não podem senão seguir adiante.
Vão outra vez em direção à festa.
A diferença é que agora, embora afastados, procuram seguir lado a lado, trocando olhares do começo ao fim. Não mais pensando em fogos de artifício futuros ou no tempo do relógio que assola o mundo.
O que os move é a vontade de amar.